Leia mais no Oficina da Net: Redirecionamento em JavaScript Feira de Samambaia, que deveria estar pronta em setembro, parece abandonada ~ Blog Samambaia DF

29 de dez de 2010

Feira de Samambaia, que deveria estar pronta em setembro, parece abandonada


Um antigo galpão localizado na entrada da QN 510 de Samambaia abrigará a feira da região. Em uma negociação que se arrasta há meses, os vendedores de frutas, legumes e outros artigos da quadra não aguentam mais esperar o término das obras do espaço. O problema é que, enquanto os boxes não ficam prontos, os comerciantes se veem obrigados a trabalhar em uma estrutura improvisada no chão de terra batida. Vigas de madeira cobertas por lonas azuis ou pretas funcionam como balcões de exposição de peixes, carnes e todos os tipos de alimentos.

Edivânia Morais reclama: "A comida fica exposta a toda sujeira"
Quando chove, os visitantes enchem os sapatos de lama. Na época da seca, os frequentadores tapam o nariz para engolir menos poeira. “É um desrespeito com o cidadão. A comida fica exposta a toda sujeira”, denuncia a dona de casa Edivânia Morais, 33 anos. Moradora da Quadra 508, ela faz compras no local com frequência e denuncia que, como a feira só abre aos domingos, o aparato serve de esconderijo para marginais durante o restante da semana.

A insegurança da comunidade e a falta de condições dos feirantes tinham data marcada para acabar: setembro deste ano. A empresa responsável alega que a demora na entrega da obra se deve à falta de recursos por parte dos feirantes. Os comerciantes têm de pagar, cada um, cerca de R$ 2 mil por box, conforme o que ficou acordado no início da construção, em maio último. O diretor-administrativo da companhia, Rodrigo Dias, calcula que faltem R$ 350 mil para o término dos serviços. “Os trabalhos serão finalizados com recursos próprios da empresa e quem está em débito terá de acertar as contas”, avisa.

Os problemas no cumprimento do acordo causaram alvoroço entre os vendedores. A presidenta da Associação dos Feirantes da Quadra 510 de Samambaia, Francisca Campos, reclama das condições a que o grupo tem de se submeter por conta do atraso. “Muitas vezes, os fregueses se recusam a fazer as compras conosco por causa da grande quantidade de lama”, conta.

Financiamento

O espaço se enquadrará no módulo de feira livre (veja O que diz a lei). Para arrefecer os ânimos dos comerciantes ansiosos pelo fim do impasse, a Administração Regional de Samambaia intermediou um termo de compromisso entre a empresa e a associação. Com o documento assinado, a previsão é de que as bancas do galpão estejam concluídas até o fim de janeiro. “Acreditamos que o novo prazo será cumprido”, ressalta Francisca Campos, da associação.

As dificuldades financeiras levaram os vendedores a procurar um empréstimo para arcar com os custos dos boxes. Segundo Rodrigo Dias, a maioria deles fez um financiamento com o Banco do Povo, programa governamental de apoio ao microempreendedor. “Os recursos foram liberados para poucos feirantes. Os demais, mesmo os que foram considerados aptos, não receberam a carta de crédito. Por isso, não obtiveram recursos”, explica o diretor-administrativo da empresa que executa o serviço.

De acordo com a Secretaria de Trabalho, o Banco do Povo foi interrompido neste mês, como de costume, para a realização do levantamento de 2010, mas não enfrentou maiores problemas ao longo do ano. Segundo o órgão, parte dos feirantes não recebeu o crédito por conta de pendências. A assessoria da pasta ainda informou que seria mais fácil adquirir o financiamento por meio da associação.

O que diz a lei

O Decreto nº 29.311, de 31 de julho de 2008, determina a organização de alguns dos segmentos comerciais do Distrito Federal. Segundo o documento, as feiras livres podem funcionar em vias ou áreas públicas cobertas. Nessa situação, entram pavilhões, galpões e outras edificações apenas com piso e cobertura de propriedade do poder público. No espaço, 20% da área podem ser destinados a peixarias, açougues, lanchonetes e similares. Os ocupantes têm de pagar para explorar o local. Para feiras livres e de produtores rurais, a taxa é de R$ 1,05 por metro quadrado, sem contar o reajuste anual com base no Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC). Os atrasos acarretam juro mensal de 1% e multa de 2% do valor total.


Fonte: www.correioweb.com.br

0 comentários:

Twitter Facebook YouTube Orkut